sexta-feira, 22 de junho de 2012

Medo de Espelho

Domar a ira, dominar a ansiedade, exercitar a paciência... Algumas coisas que parecem tão simples até o momento em que você decide que vai ter um certo controle sobre elas. É muito fácil ser paciente, a menos que você se depare com uma situação onde realmente necessite tê-la. São de coisas assim que eu estou falando.

Penso que não fomos educados para que eduquemos a nós mesmos. Nos tornamos seres que desejam ter o controle de tudo e de todos, mas não controlamos a nós mesmos. Esta é uma verdade que preferimos não enchergar, talvez para não sentir a responsabilidade de ter de fazer algo. A comodidade é muito mais fácil e aí está mais uma prova do nosso "autodescontrole"; o fato de que sabemos que algo está errado e não querermos mudar por medo de não conseguir ir contra isso o suficiente. Mas espere um pouco, temos medo de nós mesmos? Sim; é o que parece.

Estamos fugindo de nós mesmos a todo momento, tememos os nossos desejos, os nossos sonhos, as nossas opiniões e ainda mais aquilo que em nós ainda é desconhecido, daí, fugimos ainda mais. E esse não é o caminho mais adequado. Se o homem não tivesse tanto medo de si, ele poderia se desenvolver muito além daquilo que todos dizem que pode. O poder de tudo não está nas grandes descobertas, mas nas pequenas descobertas que geram grandes diferenças. Não pode ir muito longe quem tem medo de ir muito perto, quem tem medo de olhar pra dentro e dar de cara com os limites, o obscuro e o que não se encaixa com o que está ao redor.

Certa vez li em um livro algo que dizia que no fundo de cada homem reside poderes que até ele mesmo desconhece, trazendo a ideia de que esses poderes estavam ali perdidos porque nós não temos o acesso devido para chegar até eles. Hoje penso que esses poderes realmente existem, mas não o conhecemos, não por ignorância, mas sim por medo, medo que o ser humano tem de si mesmo. Quer entender o outro, mas foge de si e, mesmo quando quer se compreender, se amedronta, pois tem medo do que sabe que pode encontrar, então toca somente aonde sabe que lhe é agradável. Precisamos tomar cuidado com os caminhos inversos, pois eles podem nos levar para algum lugar muito distante de onde nunca deveríamos ter tirado o olhar.
Níkolas Medson

Nenhum comentário:

Postar um comentário